Os 4 maiores erros de um escritor iniciante

Os 4 maiores erros de um escritor iniciante

Começou a escrever recentemente? Então esse post é para você. Separei 4 erros que muitos iniciante cometem na hora de escrever suas histórias. Aprenda com eles, e comece a sua carreira evitando-os.

Independente de qual seja o seu gênero literário (fanfiction, romances originais, etc), é fato que o começo de carreira de um escritor é carregado de erros. Alguns deles não tem jeito de evitar, são essenciais para aprendermos e desenvolvermos nossa escrita, enquanto outros podem ser evitados desde já.

Tudo irá depender da sua atenção na hora de por no papel as ideias.

O leitor é bastante sensível aos erros, pois a concentração é profunda para entender a narrativa. Dependendo do erro que o escritor comete, a experiência de leitura deixa de ser prazerosa para o leitor. Alguns conseguem relevá-los, outros não.

A partir da sua escrita alguns leitores perceberão que você está começando, pois são erros comuns em escritores iniciantes. Ninguém irá te julgar por isso, cometer erros é o esperado quando começamos algo.

Preste bastante atenção nesses quatro erros para encontrá-los em suas histórias.

Erro 1 – Narrativa acelerada em primeira pessoa

Geralmente os escritores de romance começam suas histórias na narrativa em primeira pessoa. Isso quer dizer que o narrador é o próprio protagonista da história. O eu passa a viver as experiências e compartilhar seus sentimentos e pensamentos com o leitor.

Porém, o erro que muitos escritores cometem é acelerar a narrativa. Ou seja, em uma única linha descreve absolutamente tudo o que o personagem fez. É o famoso “acordei, escovei os dentes, troquei de roupa e fui tomar o café da manhã”.

Somente nessa sentença identifico dois erros.

O primeiro deles é a falta de aprofundamento na rotina do protagonista. Lembre-se que as pessoas gostam de xeretar a vida uma da outra. É fácil perceber porque youtubers acabam fazendo mais vlogs, que são vídeos do seu dia a dia, pois as pessoas tem a curiosidade em saber como elas vivem, se fazem as mesmas coisas que elas. Na literatura isso não é diferente, pois se torna um gancho de identificação com o personagem.

Porém, isso não significa que você deva descrever nos mínimos detalhes cada passo do personagem. E isso nos leva ao segundo erro.

O segundo erro seria excesso de informação. Na literatura devemos nos atentar em passar informações que sejam relevantes para o leitor compreender a história que está sendo contada. Por exemplo, ninguém escreve sobre o personagem ir ao banheiro fazer suas necessidades. Não por ser algo “nojento”, mas sim por não ter valor dentro da história.

Se não faz diferença o leitor saber de algo ou não, é provável que essa informação seja desnecessária. Aproveite a sentença para explorar outras coisas, como o personagem sentindo preguiça ao acordar, ou então ele refletindo sobre o sonho que teve, etc.

Erro 2 – Falta de transição de um cenário para outro

Esse tipo de erro acontece bastante em histórias colegiais. Sabe aquele romance colegial entre o garoto popular e a nerd? Pois é, são os principais focos desse tipo de erro e os usarei como exemplo.

Geralmente esse erro é cometido da seguinte forma. No primeiro parágrafo estamos acompanhando a manhã do personagem que se arruma e vai para escola. No segundo parágrafo o vemos chegar na escola e conversar com seus amigos. No terceiro apenas diz que ele teve aula de tal matéria, e se ele prestou – ou não – atenção na aula. No quarto parágrafo já é intervalo ou almoço.

Isso tem a ver com o erro citado anteriormente, onde há a narrativa acelerada, mas nesse erro em específico percebemos que mudamos de cenários várias vezes em um curto período de tempo. Ou seja, o autor não consegue fazer uma transição no tempo.

Se a intenção da história é falar de uma romance escolar, ele pode mostrar alguns pedaços da aula onde um professor faz algum tipo de atividade com os alunos, ou então onde os alunos ficam trocando bilhetes, enfim. Coisas que se fazem em sala de aula. Pois o leitor precisa sentir a vida escolar do personagem.

E não vá achando que esse tipo de erro não se aplica em outros cenários. Até mesmo se o ambiente for um escritório de advocacia, é preciso mostrar o que o personagem faz nesse cenário.

Vendo um dorama esses dias me deparei justamente com esse erro. A personagem era psiquiatra, mas não acompanhamos o seu trabalho. Ela passava mais tempo fora do consultório do que trabalhando. Que tipo de psiquiatra é essa que tem tempo livre?

Então quando for passar de uma cenário para outro, lembre-se de explorá-lo bem para que o leitor compreenda que o tempo passou. Se não ele vai achar que o seu personagem não faz nada de interessante.

Erro 3 – Romance se desenvolvendo rápido demais

A menos que o personagem seja alguém fácil demais para entrar em um relacionamento, esse tipo de erro deve ser cuidado.

Quando começamos a escrever ficamos empolgados e ansiosos para desenvolver as cenas que já imaginamos e planejamos. Dentre elas o casal finalmente ficando junto. Devido a essa ansiedade em ver tudo pronto, podemos cometer o erro de acelerar o romance entre o casal.

Se o romance é o tema central da sua história, então tome cuidado. Para o leitor é interessante que o casal vivencie experiências compartilhadas, que geram as memórias, e os fazem refletir sobre seus sentimentos. Explorar a emoção deles é a peça chave de um romance.

Afinal de contas, nem sempre sabemos se estamos vivenciando um “amor verdadeiro” ou apenas a atração física. O leitor quer saber como que o personagem lidará com suas emoções.

É claro que o fator de ir rápido demais pode ser uma peça chave para o romance, isso não é uma regra. Mas se a intenção é que os personagens desenvolvam seus sentimentos e se declarem somente no final, então é um cuidado que deve tomar.

Então você se pergunta, e quando é o momento certo do casal finalmente ficar junto? Isso irá depender do planejamento da sua história. Se a intenção não é explorar a vida do casal junto, então é provável que a declaração fique para o final. Agora, se não for o caso é bom planejar bem.

A questão é que quando se trata de romances, a maioria dos leitores gostam dessa fase inicial onde os personagens estão explorando seus sentimentos. Acompanhar a “paquera” é gostoso, pois conseguimos identificar o momento exato em que os personagens se apaixonam. E quando ficam juntos, é como celebrar a copa do mundo.

Não se esqueça de que romances mexem com os leitores. Por isso devem ser bem desenvolvidos.


Leia também


Erro 4 – Não há um aprofundamento no enredo como um todo

Esse tipo de erro acontece bastante com quem quer trabalhar dois temas na história. Geralmente fantasia e romance.

Como eu disse anteriormente, ficamos ansiosos e aceleramos as coisas. Em alguns casos esquecemos de alguns detalhes das histórias. Então o autor trabalha toda a fantasia no começo da história, mas aí a deixa de lado para trabalhar o romance, e esquece da fantasia. Seria como se o foco da história tivesse mudado.

E isso é perigoso, pois o leitor pode entender que sua história está incoerente.

Se você trabalhou inicialmente um determinado tema, vá com ele até o final. Não o deixe de lado.

Quando não há um aprofundamento no tema da história, o leitor poderá entender que o autor não pesquisou o suficiente ou apenas está utilizando o tema como chamariz. Seria como se uma mãe não conhecesse o próprio filho. Isso é estranho e estraga por completo a experiência da história.

Para evitar esse erro basta que revise seus capítulos e anote se introduziu alguma informação que deva ser explorado. Tenha em mente que ao terminar a história, as pontas não podem ficar soltas. Elas devem ser devidamente fechadinhas com nó. Tudo muito bem explicado para o leitor.

Aprofundar algo na história é basicamente você dar um começo, meio e final para ele. Então se o personagem principal está vivenciando o período de vestibular, é interessante que mostre como será a experiência. Ele buscando saber os cursos e faculdades, tentando descobrir no quê ele é bom, refletindo sobre o futuro, coisas assim.

Se não é o foco, então não tem problema. Isso pede que fique atento ao quê está dando foco. Ou seja, há algum tema em seu enredo da qual você acabou dando enfase sem perceber?

Conclusão

Não se prenda aos erros, eles são necessários para que possamos crescer enquanto escritores. Nem sempre iremos acertar de primeira, e o feedback de um leitor irá nos ajudar nesse quesito. Os erros explorados nesse post são os mais comuns na primeira história de vários escritores iniciantes, e por isso os trouxe.

Apenas fique atento, sempre revise seus capítulos e não tenha medo de reescrever quando necessário. É assim que criamos boas histórias.

Siga-me no pinterest e no instagram para receber mais dicas de escrita!

2 Comments

  1. GOSTEI DAS ORIENTAÇÕES. APESAR DE JÁ TER PUBLICADO UM LIVRO NA EDITORA VISEU “MEMÓRIAS DE UM ALCOÓLATRA” E ESTAR INICIANDO AGORA, QUERO SEMPRE APRENDER MAIS AS TÉCNICAS DE ESCREVER. MUITO OBRIGADO.
    LUIZ ANTÔNIO MAGALHÃES
    [email protected]

    1. Eu que fico grata por você ter gostado do post. Tenha um bom início de carreira

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Sobre a autora

Alis Green

Uma bruxa escritora que é viciada em animes. Adora estudar sobre mitologias e história, como também gosta de ler romances regenciais. Quando aprende alguma coisa nova, sempre passa à frente em seus posts.

Leia sobre esses artigos
5 passos para iniciar a Bruxaria Natural Lista de leitura para Bruxinhos Iniciantes Como começar na Bruxaria Natural