Quer publicar no Wattpad? Então, evite esses erros

quer publicar no wattpad? evite esses erros

O wattpad é uma excelente plataforma para escritores criarem seu público leitor, porém ele também pode iludir um escritor fazendo-o acreditar que sua história é, de fato, boa. Mas pode não ser! Quer que sua história tenha boa qualidade? Então evite esses erros que a maioria dos escritores cometem.

Nesses últimos dias eu tenho passado bastante tempo lendo algumas histórias no Wattpad, e fiquei estarrecida com a quantidade absurda de títulos que tem grandes números de comentários e visualizações, sendo que o texto não é bom. A ideia do plot é interessante, porém fica nítido a inexperiência do escritor em cada palavra escrita.

É muito frustrante isso, pois acabo prestando mais atenção nos erros gramaticais e na narrativa apressada, do que na história em si.

Obviamente ninguém nasce com o dom da escrita, acertando todas as regras gramaticais e criando textos perfeitos. Porém, custa nada revisar o texto e corrigir o que é preciso corrigir.

Se você deseja publicar a sua história no Wattpad, eu peço encarecidamente que revise seu texto e se atente aos seguintes erros!

Não desperdice o espaço da sinopse

O título da obra é interessante, a capa é bonita e bem feita, mas cadê a sinopse?

Nessa semana em que me dediquei a ler fiquei estarrecida com a avalanche de sinopses horríveis e ausentes. Queria tanto ler a história, mas fiz birra e não o fiz. Os autores realmente não sabem aproveitar esse espaço sagrado que é a sinopse.

Para compreenderem melhor a minha raiva, vejam alguns exemplos das quais me deparei:

  • Leia e descubra;
  • Eu sei que esse espaço é da sinopse, mas quero falar de mim;
  • É a minha primeira fanfic, espero que gostem;
  • E se o ódio se torna amor?;

Irritante, não?

A sinopse é um parágrafo que irá convencer a pessoa a ler sua história. Eu, enquanto leitor, quero ser apresentada ao protagonista, ao cenário que ele vive e o problema que ele terá de enfrentar. Preciso ser contextualizada antes de começar a ler, se não ficarei perdida.

A história, por si só, já é um mistério. Não adianta você colocar “leia e descubra”, pois o leitor já não faz a menor ideia do que ele irá encontrar nos capítulos. Custa pelo menos explicar sobre o quê a sua história fala?

Além disso, a sensação que me passa com esses tipos de sinopse é de que o autor desconhece a própria obra. Isso por si só já é não é um ponto positivo. Por mais que começamos a escrever aleatoriamente, chega um momento que compreendemos qual a ideia central.

Caso o escritor não saiba fazer uma sinopse, basta fazer um parágrafo com 5 frases sobre: o protagonista, como ele vive e qual o problema que ele terá de resolver. Pronto, já é o suficiente.

Notas finais dentro dos capítulos

Wattpad é uma plataforma que não dispõem de espaços para que o autor interaja com o público-leitor de uma determinada obra. Por exemplo, no site do Spirit Fanfics, há as notas iniciais e finais, onde o autor pode deixar recados para os leitores daquela história, em específico. No wattpad esse espaço não existe.

Mas os escritores arranjam um jeito.

Enquanto estou lendo o capítulo me deparo com “Notas finais: é isso gente, espero que tenham gostado do capítulo de hoje, eu sei que demorei pra postar, mas é porque eu estava muito ocupada…“.

O espaço do capítulo está sendo utilizada para o autor escrever recados para os leitores. Isso me deixou bastante agoniada. Até porque eu não quero saber se o seu dia foi bom ou ruim. Se eu quiser uma informação do autor, visitarei o perfil dele para saber. O espaço do capítulo é apenas para escrever sua história, e nada mais.

Há muitos leitores que não se importam tanto com isso, no entanto isso não significa que está fazendo o uso correto do espaço. Essa reclamação também vai para os capítulos de recados que muitos escritores criam.

Lendo uma história, seguindo o fluxo e super concentrada, quando troco de capítulo me deparo com uma nota da autora pedindo desculpas por não ter publicado… Me sinto tão iludida quanto da vez que assisti Jujustsu Kaisen achando que o Junpei entraria na escola de Jujutsu.

Eu sei que essa é uma forma mais rápida de entrar em contato com o seu leitor, mas saiba que eles podem muito bem acessar o seu perfil e mandar mensagens para você também. Você também pode usar o espaço dos comentários para isso.

O termo “quebra de tempo” dentro da narrativa

Não foram um duas vezes que me deparei com esse termo no meio de uma história, e até agora estou me questionando o que raios é isso.

Se for olhar pelo lado da física, o tempo deve ser algo bem complicado de se definir. O que é o tempo? Agora imagina você pegar algo tão complexo quanto o próprio tempo, e quebrá-lo? Seria isso possível?

De que tempo você está falando? Segundos? Anos? Anos-luz?

Ao invés de escrever “quebra de tempo” situe o seu leitor de que tempo é esse. Foi no dia seguinte? Alguns dias depois? Semanas depois? Mas afinal, em que espaço tempo estamos falando nessa história?

Quebra de tempo não existe. Se você não estiver trabalhando com uma história em que a data é importante para o enredo, então apenas coloque que alguns dias se passaram. Custa nada escrever essa frase.

A mensagem da quebra de tempo, pelo o que percebi, é justamente para falar que algum tempo (seja lá quanto for) se passou. Porém, dependendo da história esse tempo precisa ser claro.

Dependendo da narrativa, algumas cenas chegam a ocorrer em um dia só. Em outras, são esporadicamente. Em um capítulo falava-se que uma peça de teatro seria feita dali um mês, no capítulo seguinte já está ocorrendo a tal peça. O tempo passa de qualquer maneira, mas e aí, o que aconteceu nesse intervalo de tempo? Se não foi nada relevante, o salto temporal é indicado com “um mês depois”.

Situe o seu leitor dentro do espaço-tempo da sua história. Não quebre o tempo, afinal nem sabemos se isso é possível.


Leia também


Troca de narração de primeira pessoa à terceira pessoa

Dá vontade de chorar quando vejo essas trocas de narradores no meio da história. A impressão que passa é de que o escritor não faz a menor ideia de quais informações deseja passar e como fazê-lo.

Nas histórias que li nessa semana me deparei com a narração em primeira pessoa dos dois personagens principais (que compunham o casal central do romance) e com a narração “da autora”. Aí sentei e chorei o Rio Nilo inteiro.

Jamais, em hipótese alguma, o narrador em terceira pessoa se trata do autor. Nunca! Narrador e autor são duas coisas completamente diferentes. Tratando-se do narrador em terceira pessoa, gosto de usar a técnica do personagem extra, ou seja, o narrador é um personagem avulso sem identidade (em alguns casos) que conta aquela história.

Jamais será o autor. O autor não tem participação alguma na história.

Segundo ponto, evite ao máximo de transitar entre os narradores. Se a sua história será narrada em primeira pessoa (ou seja o próprio personagem narrará a história), então foque nisso até o fim. Se a história é para ser narrada em terceira pessoa (seja ela onisciente, limitado ou objetivo), então será assim até o final.

Trocar o narrador bagunça a cabeça do leitor. A maioria das histórias que li poderiam ser narradas em terceira pessoa onisciente. Pois é o narrador que sabe de tudo e de todos.

A troca do tipo de narrador só mostra que o autor que mostrar determinadas informações, mas não sabe como fazer isso.

Evite o uso de gírias no meio da narrativa

Esse é um erro bastante comum, por isso não chega a me irritar tanto quanto os anteriores. No dia a dia temos a tendência de criar abreviações e gírias para facilitar a comunicação, mas em uma história isso não pode ocorrer no meio da narrativa.

Gírias e abreviações só podem ocorrer quando há troca de mensagens! Sabe, whatsapp, messenger, mensagens escritas em geral, podem conter essas gírias. Agora, diálogos e narrativas não.

Por incrível que pareça, me deparei com uma história em que o escritor escreveu exaustivamente “oq” ao invés de “o que”. É o cúmulo da preguiça.

Você já leu algum livro em que havia uso dessas abreviações e gírias no decorrer da narrativa? Provavelmente não. Afinal de contas, a narrativa precisa ser clara para que a mensagem correta seja transmitida. Querendo ou não, estamos nos comunicando com o leitor a partir da narração, e essas abreviações causam ruídos.

Sobre as gírias, elas podem ser usadas somente em mensagens e diálogos, porém é importante colocar nos comentários o que significa essas gírias. Algumas delas são bem regionais, então podem haver leitores que desconhecem a gíria por morarem em regiões diferentes.

Por exemplo: a maioria das pessoas falam salsicha, mas em Curitiba há quem fale vina. Eu posso explicar isso no próprio diálogo com outro personagem questionando o significado, ou colocar nos comentários o que significa vina.

Conclusão

Esses foram alguns erros que escritores iniciantes cometem quando publicam suas histórias no wattpad. É claro que alguns deles passam despercebidos, ou então os leitores não consideram grandes coisas, mas não custa você se atentar à isso.

Nem sempre aquela história que recebeu tantos votos e comentários é de boa qualidade, e isso fica nítido quando vamos lê-la. Uma história de boa qualidade significa que o autor realmente está contando uma história com começo, meio e fim, com objetivos e lições. O personagem principal começa a história de um jeito e termina de outro, pois ele se desenvolveu.

Se a sua história contém isso, então é de boa qualidade.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Sobre a autora

Alis Green

Uma bruxa escritora que é viciada em animes. Adora estudar sobre mitologias e história, como também gosta de ler romances regenciais. Quando aprende alguma coisa nova, sempre passa à frente em seus posts.

Leia sobre esses artigos