Hefesto: mitos do deus da forja

Hefesto, deus da forja

Hefesto é a divindade grega da forja, conhecido na mitologia romana como Vulcano. Conheça o deus que foi abandonado pelos pais.

O nascimento da divindade

O deus Hefesto é fruto da relação de Zeus e Hera. Sim, diferente dos demais deuses do Olimpo, esse foge da lista dos bastardos. Contudo, o amor de seus pais não fora tão grande como era esperado.

Hefesto não nasceu perfeito, não era belo, o que não correspondia ás necessidades de sua mãe. Ele tem uma perna maior do que a outra, seu andar é desajeitado, seu rosto é desfigurado – podemos nos lembrar do personagem Quasímodo de Corcunda de Notre Dame.

Hera jogou o próprio filho para o mar, o expulsando do Olimpo por conta de suas deficiências. No entanto, algumas ninfas – ou Tétis e Eurínome – o resgataram e levaram-no para uma gruta em Lemnos, onde foi cuidado.

Em outras versões, é contado que na briga entre Zeus e Hera, Hefesto teria tomado o partido da mãe. Isso zangou o pai, que o jogou do monte Olimpo, deixando sua queda durar 9 dias e 9 noites.

Seu nascimento também tem outras versões, onde contam que Hera teria ficado enciumada com o nascimento de Athena. Sendo assim, a deusa do casamento gerou Hefesto sem a ajuda de Zeus.

Não importando qual seja a sua versão, é notável que os pais do deus o expulsaram do Olimpo. É aí que a semente da vingança é plantada.

A vingança de Hefesto

Sendo criado fora do Olimpo, Hefesto aprendeu a arte de forjar e a manipular os metais. Um auto aprendizado tornou-o mestre da engenharia, sem jamais esquecer a sede por vingança.

Ele construiu um trono de ouro e o presentou á Hera, que adorou mesmo sem saber quem havia enviado tal presente. Por ser um trono “perfeito”, a deusa logo se sentou para experimentá-lo, e então não conseguiu mais levantar dali.

Dizem que mãos invisiveis a seguravam, e elas só obedeciam á Hefesto, sendo que os deuses partiram á sua procura. Em outras versões, ninguém sabia quem havia enviado o trono, mesmo assim foram á procura do artista por trás dela.

De qualquer forma, fora Dionísio quem encontrou Hefesto. Contudo, ele não queria ir ajudar os deuses, sendo necessário que o deus do vinho embriagasse o forjador para levá-lo até o Olimpo, em cima de um burro.

Ao chegarem no Olimpo, os deuses tentaram negociar com Hefesto sobre a soltura de Hera. O acordo final fora a mão de Afrodite e um lugar entre os deuses no Olimpo. Somente assim, Hefesto aceitou libertar a mãe do trono.

O casamento de Hefesto e Afrodite

Apear de Afrodite ter se casado com Hefesto, ela manteve relacionamentos extra conjugais com Ares, por quem era apaixonada. Hefesto sabia das traições, e chegou á criar uma rede forte o suficiente que impediria alguém de escapar.

Afrodite e Ares estavam nus quando foram pegos pela rede e expostos pelos demais olimpianos. Os deuses riam da situações constrangedora, e Hefesto até se sentiu vingado, porém, a deusa não parou com os casos.

Dizem que Afrodite e Hefesto se separaram, e o deus da forja se casou novamente com Aglaea.

Outras fontes já falam que Hefesto sempre fora solitário, mesmo tendo criado servas de ouro que cuidavam muito bem dele. Zeus, notando a tristeza do filho, teria concedido Afrodite para o rapaz se sentir mais feliz.

Também falam sobre um possível filho entre Hefesto e Athena, que apesar de não ter sido consumado a relação, o deus da forja derramou sua semente não chão, daí nascendo Erecteu.

Um deus popular entre os gregos

Por incrível que pareça, o deus era popular tanto entre os gregos, como entre os romanos. A sua história de vingança muito se assemelhou aos humanos, principalmente a forma como ele se desenvolveu como forjador mesmo sendo recusado pelos Olimpianos.

Ele é conhecido como o deus da forja, do fogo, dos vulcões, arquiteto e demais aspectos de trabalhos manuais. Da mesma forma que Athena se assemelhava ás mulheres, Hefesto assemelhava-se aos homens por conta de trabalhos manuais.

No Olimpo, Hefesto confeccionou várias armas para os demais deuses, como: o tridente de Poseidon, flecha de Apolo, armadura de Aquiles, sandálias de Hermes, e demais ornamentos que são contados na mitologia grega. Mesmo que sua aparência não fosse condizente aos deuses gregos, ninguém poderia reclamar de suas habilidades como forjador.

Inclusive, o templo do deus Hefesto, e também de Athena, se encontra inteiro até os tempos atuais.

Fontes

Portal dos mitos

Mitologia grega

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Leia sobre esses artigos