Deuses na bruxaria natural: o que saber antes de cultuar

Deuses na bruxaria natural

Mas a Bruxaria Natural cultua alguma divindade? Como são as Deusas das bruxas? Se essa for a sua dúvida, então fica aqui comigo para aprender como que as bruxas naturais se relacionam com as figuras divinas pagãs.

Essa é a maior dúvida que os curiosos tem, principalmente aqueles que estão acostumados com tradições monoteístas. Existe um certo receio sobre as figuras divinas desconhecidas das quais as bruxas dizem cultuar. Será que aquela divindade é boa ou é má? Mas as bruxas podem cultuar demônios?

Respire fundo antes de revirar os olhos para esses questionamentos. Estamos aqui para dar conhecimento, então chegou a hora de aprendermos um pouco.

Quando alguém decide começar na bruxaria natural, eu sempre falo sobre a bruxa ter sede de conhecimento. Isso porque nada que é feito na bruxaria deve ser levado tão levianamente. Ou seja tudo é um símbolo, contém um significado que precisa ser absorvido por nós.

Não fazemos rituais só por fazer. Compreendemos muito bem o que significa cada sabbat, cada momento em que nos encontramos.

Assim deve ser feito com os Deuses Pagãos.

Quais divindades uma bruxa natural cultua?

Essa é uma dúvida bem recorrente, já que algumas pessoas sentem a necessidade de existir uma figura divina para ser o alicerce de sua crença. São poucas as religiões que não tem essa figura de base.

No entanto, um bruxo natural não tem uma divindade.

Diferente de tantas outras vertentes da bruxaria, a Bruxaria Natural não é considerada uma religião e sim uma filosofia de vida. Sendo assim, essa figura divina básica não “existe” propriamente dito.

Contudo, para praticar a bruxaria natural nós baseamos na cultura pagã. A cultura de nossos ancestrais era mais próximo aos ideais filosóficos que desejamos seguir. Por isso, a maioria dos bruxos naturais são pagãos!

E se estamos falando de paganismo, então já iremos esperar um belo e grosso livro de história caindo no nosso colo. Afinal, são milênios de crença.

Pense um pouquinho. Quantas divindades o ser humano já cultuou desde que ele adquirira consciência? Já tentou imaginar quantas religiões e crenças ainda não fora encontradas por nossos historiadores modernos? Tem muita coisa escondida sobre a nossa história.

Somente de cabeça conseguimos nos lembrar de alguns panteões como o grego, indígena, nórdico, africano, italiano, romano, celta, etc. Cada região tinha uma crença diferente, com divindades diferentes, com histórias diferentes.

O bruxo natural é livre para escolher, ou ser escolhido, a acreditar em quem ele desejar. Afinal, a bruxaria natural não é uma religião.

Escolher uma divindade ou ser escolhido

Você já deve ter ouvido falar sobre o termo “Deusa-Mãe” e “Deus-Pai”. Trata-se de uma divindade feminina e masculina que “cuida” de nós. Da mesma forma que muitos cristão se referem à Deus como Pai, os bruxos fazem o mesmo. Essas figuras divinas se tornam arquétipos conscientes que os bruxos passam a cultuar e a se conectar em sua prática.

Quando se quer perseguir o caminho do autoconhecimento dentro da bruxaria, conhecer sua Deusa Mãe e Deus Pai podem revelar muitas informações sobre nós mesmos. Além disso, estudar os mitos e tradições pelos quais aquela divindade pertence pode nos ajudar imensamente. Desde no sentido espiritual quanto psicológico.

Muitos bruxos fazem rituais para pedir à essas divindades que lhes mandem um sinal, pois desejam saber de quem são filhos. E então alguns sonham com Afrodite, outros sonham com Cernnunnos, e assim vai indo.

Alguns bruxos conseguem perceber os sinais com mais clareza, e por isso não sentem a necessidade de realizar um ritual para fazê-lo. Outros já sentem dificuldade, pois querem algo claro para terem confiança em dizer que é filho de tal divindade.

Veja bem, saiba que pode ser qualquer divindade de qualquer panteão.

Já aviso que isso não é algo obrigatório. Há muitos bruxos que não sentem necessidade alguma de terem uma divindade para cultuar. Outros esperam por anos para saber quem é.

E sim, uma vez que é descoberto quem é a divindade que lhe rege, você pode cultuá-los. Mas lembre-se de que cultuar uma divindade é um compromisso sério!

Uma vez que saiba quem é sua Deusa-Mãe e Deus-Pai, você já estará entrando em contato com o arquétipo dele.


Leia também:


O que é um arquétipo? E qual a diferença dele para cultuar uma divindade?

Arquétipo é uma palavrinha que Carl Jung usa para falar sobre os “modelos de comportamentos“. Digamos que você está no seu trabalho lidando com um baita problema, não consegue enxergar a saída e fica perdido. O estresse está aumentando, o cliente está pressionando e você está prestes a surtar. Então vem o questionamento “o que fulano faria caso estivesse nessa situação?”

Uma vez que essa pergunta é feita, automaticamente tenta puxar as informações que tem sobre fulano e encontrar a resposta. Assim que encontrada, você passa a agir igual o fulano, ou pelo menos parecido com ele.

No caso, o fulano da história seriam os deuses pagãos.

O que determinada divindade faria, se estivesse em tal situação?

Você pode até achar estranho a ideia de uma divindade pagã tentando lidar com problemas modernos, mas acredite isso é possível. Pois dentro de nossa Psiquê existe todo um conteúdo inconsciente que é passado de geração em geração, e dentre eles está o dito do arquétipo.

Então, por mais que anos tenham se passado desde os tempos em que o homem acreditava nos deuses do olimpo, até os tempos modernos onde o homem está se tornando cético, ainda temos guardado em nossa psiquê padrões de comportamos dos deuses do olimpo.

Agora, respondendo a segunda pergunta: usar uma divindade como arquétipo é diferente de cultuá-lo? De certa forma sim.

Lembre-se que quando cultuamos uma divindade, não estamos apenas depositando a nossa fé nela. Estaremos sempre demonstrando o nosso respeito, gratidão e amor por eles. Cultuar vai além de acreditar.

Nunca se esqueça de pesquisar e estudar sobre os Deuses

Sempre puxarei a orelha dos bruxos iniciantes sobre estudos. Cultuar uma divindade é algo sério independente da tradição que você segue. Uma vez que começou, assuma o compromisso e vá até o final. Principalmente dentro da cultura pagã.

No paganismo os deuses nunca foram retratados como sendo absolutamente bonzinhos ou ruins. Não existe figuras que adoram causar o caos por pura perversidade. Os Deuses são ambivalentes, e isso é perceptível em seus mitos e histórias. Ao mesmo tempo que eles fazem coisas boas, eles são mesquinhos, rancorosos e vingativos. Imagina, então, se eles verem alguém que os cultua de repente faltando o compromisso? Vão achar tremenda falta de respeito.

Outro ponto de destaque é a questão de conhecer bem a divindade que será cultuada. Os deuses antigos são conhecido por diversas facetas e peripécias. Um é deus da água e das montanhas, outra é deusa da caça e dos animais selvagens. Nenhuma divindade pagã atua somente em uma área da vida natural, eles estão por todos os lugares.

Conhecer essas facetas dos deuses é essencial para que você tenha noção de estar pedindo a coisa certa para a divindade certa. Imagina pedir por sensualidade no relacionamento para Deméter e não Afrodite? Espere aí, essa não é a área da Deméter. Energias errada podem atrair resultados inesperadamente errados.

Uma vez que você saiba qual divindade pretende cultuar, seja curioso sobre ele(a) e pesquise bem seus mitos. Como esses deuses são antigos, muitas histórias se perderam com o tempo sendo necessário conhecer aquilo que temos em mãos.

Conclusão

Dentro da bruxaria natural não há uma figura divina a ser cultuada. A própria bruxa irá determinar se deseja cultuar alguma figura divina ou não, tornando esse culto em algo não obrigatório. Porém, uma vez que esse compromisso é iniciado pelo bruxo, é necessário fazê-lo devidamente.

A bruxa pode cultuar uma divindade que chamamos de Deusa Mãe e Deus Pai, ou então esperar algum sinal de alguma divindade em algum momento de sua vida. Para isso, basta fazer orações em rituais pedindo por sinais claros de quem seria. Mas lembre-se, se nada vier é porque esse não é o momento ideal para conhecê-los.

4 Comments

  1. obrigada pelas palavras muito bem ditas, foi bastante necessaria pra mim! <3

    1. Eu que agradeço por ter lido!

  2. Muito obrigada pela partilha, aprendendo muito com vc Alis Green!

    1. Imagina, eu que sou grata pela sua visita

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Sobre a autora

Alis Green

Uma bruxa escritora que é viciada em animes. Adora estudar sobre mitologias e história, como também gosta de ler romances regenciais. Quando aprende alguma coisa nova, sempre passa à frente em seus posts.

Leia sobre esses artigos
5 passos para iniciar a Bruxaria Natural Lista de leitura para Bruxinhos Iniciantes Como começar na Bruxaria Natural