Fairy Wicca: uma tradição dos povos pequenos

Fairy Wicca: uma tradição dos povos pequenos

Dentre as diversas tradições que existem na Wicca, há uma da qual podemos nos aprofundar um pouco mais sobre sua cultura: Fairy Wicca.

Exatamente! É uma tradição voltada para o Povo Pequeno, as fadas.

Já aviso que não encontrei material o suficiente para dizer com mais detalhes sobre essa tradição. Sendo assim, esse post pode ser atualizado futuramente no decorrer de minhas leituras. E, como sempre, recomendo a leitura das fontes ao final do post para ter mais informações sobre esse assunto.

Como surgiu a tradição Fairy Wicca

Essa é uma tradição relativamente nova que foi propagada por Victor Anderson. O coven da qual fora iniciado seguia a Fairy Tradition, sendo diferente das tradições Gardnerianas e demais que tinham na época.

Porém, no período da Segunda Guerra Mundial o coven foi dissolvido, e Victor se casa com Cora por volta dos ano 40 onde começam a encorpar a Tradição das Fadas. E para isso, foi introduzido conhecimentos e práticas gardnerianas e alexandrinas que deu origem a Fairy Wicca ou Feri Faith.

Já na década de 60, o casal Anderson conhecem um iniciado chamado Gwydion Pendderwen, que ajudou a propagar o conhecimento da Fairy Wicca para a comidade neopagã na década 70 á 80. Porém, ele não é o único nome conhecido dessa Tradição. Dentre eles também temos Starhawk, autor do livro “A dança cósmica das feiticeiras”.

A crença nas fadas da tradição

As fadas fazem parte da crença celta, sendo que atualmente existem diferentes versões sobre como elas surgiram. Dentre várias, uma que chamou atenção é dizer que eles seriam Deuses antigo que diminuíram de tamanho por conta do cristianismo. Ou seja, como a crença nas fadas fora diminuindo, acabou resultando nos Deuses.

De qualquer forma, as fadas seria um resquício do povo britânico primitivo, e por isso são conhecidos como “Velho Povo” ou Fays. Elas possuem tamanho dos humanos, chegando á unir com os mesmos (procriação mesmo) e gerar os meio-fadas.

Esse Velho Povo habitavam as Ilhas Britânicas por volta da Idade do Bronze. No entanto, começara uma invasão nessa região, que obrigou esses povos á se refugiarem em montanhas e colinas. Tratando-se de um povo pacífico, se abrigaram longe da guerra, e essa nova ocupação passa á ser chamada de Terra das Fadas.

Por conta disso, essa Tradição conta que as fadas vivem em colinas e montes sagrados, recebendo outros nomes, como: Sith/Sidh, Fae,e entre outros nomes. Essas fadas seriam espíritos da natureza, existindo em um plano paralelo ao nosso, mas bem próximo.

Dentro da Fairy Wicca, os membros trabalham com a comunicação direta com Divindades, afinal é através deles que inicia a comunicação com as fadas. Ou seja, são vistos como reais e requer a responsabilidade, assim como demais Tradições.

Ou seja, a Tradição Fairy Wicca irá resgatar a crença dos Povos Antigos Britânicos, podendo trabalhar suas energias e o espírito da natureza. Inclusive, os elementais fazem parte desse povoado, assim como absolutamente tudo que faz parte da própria natureza. Diga-se de passagem que cada folha, cada pedacinho de madeira tem um Fays.

Uma tradição pede responsabilidade

Podemos entender que as Fadas estão espalhadas por todo o mundo as tornando constantemente presentes. Sendo assim, a magia que essa Tradição usa busca contactar tais Fadas, abrir uma visão para enxergá-los. No entanto, há a possibilidade dos Fays não desejarem ser vistos pelos humanos, sendo necessário que o wiccano conquiste a confiança do Povo Antigo.

Como essa tradição pode ser muito chamativo e bonito para os iniciantes, é preciso tomar muito cuidado ao lidar com fadas.

A magia com Fadas requer muito estudo para adquirir conhecimento, assim como uma certa consistência nos rituais para manter a conexão com elas. É recomendado conhecer a mitologia Irlandesa, sendo foram eles que mantiveram a cultura celta por mais tempo em comparação aos demais países em que os celtas viveram.


Leia também: Mitologia Celta: introdução de uma cultura


O principal motivo de essa responsabilidade ser necessária de frisar, é por conta dos diferentes tipos de fadas que existem. Não se pode acreditar no esteriótipo das fadas serem todas bonitinhas e boazinhas. Há aquelas que podem ser perigosas quando ficam enfurecidas ou quando o contato não é feito corretamente.

Como os Fays tiveram que partir para esse “outro mundo” por causa da perseguição de outros povos, muitas vezes eles não gostam de contato com humanos; não confiam. Por isso podem ser bem perigosos ao se defenderem. Além disso, eles têm seus próprios desejos e motivos para fazerem as coisas.

E aí vem a importância de ter uma conexão com Divindades, ou apenas a Grande Mãe. O contato será feito através Dela, ou suas faces como Aine.

Diferentes tipos de fadas

Como dito anteriormente, existem diferentes tipos de fadas, inclusive diferentes povos. Dentre alguns, há os seguintes nomes de povoados:

A mitologia britânica, conserva o nome de alguns desses povos: Os Daione Sidhe (pronúnica: di-na chi) – fadas das montanhas/subterrâneas; Os Bwragedd Annwn (pronúncia: burageth anun) – fadas dos lagos; Os Flidais – fadas das florestas e bosques; Os Tylmyth Teg (pronúncia: tarluith-taig) – do país de Gales; e Os Unseelie – da Escócia. Menos conhecidos, também falam dos “Bons Vizinhos”, os Seeli e o Povo Wee.

No mundo das fadas, o Velho Povo escondem-se debaixo das folhas e colhem gotas de orvalho. Assim como voam para colher néctar. Elas tem personalidade que podem ser similares ao nossos, assim como seus sentimentos, ideias, talentos, sensibilidade, manias, etc.

Ao mesmo tempo que a fada pode querer proteger e ajudar algumas regiões, ela pode provocar problemas. Sendo assim, ao convidá-las para o convívio é essencial não exigir que ela venha, mas convidá-las. Ofereça pães, leite, manteiga e bolos que elas se tornarão receptivas.

Sendo assim, vamos falar um pouco de alguns tipos de fadas como uma mera apresentação.

Asparas

Podem ser mulheres conhecidas como dançarinas do céu. Costumam abençoar os humanos em determinadas fases da vida, como casamentos. Vivem em árvores de figo e podem fazer aparições para cientistas curiosos os seduzindo, afim de que não se aprofundem no que é considerado impróprio.

Ban-tee

São fadas donas de casa, podendo ser encontradas ao vigiar crianças e animais de estimação pequenos. Na antiguidade era relatado que, as fadas cumpriam as tarefas de uma mãe humana que não podia cumpri-los. Então é possível que em troca dos doces, lhe deem permissão para vigiar o lar.

Elas gostam de morangos frescos e cremes doces.

Brownie

Sua aparência é de pele escura e vestimentas verdes, azul ou castanho e sempre usam uma capa sobre os ombros. Sua origem é escocessa e podem ter um corpo levemente feminino. Eles procuram humanos para lhe serem úteis e dedicar-se á ele por toda a vida. Porém, não será qualquer humano que um Brownie irá procurar. Precisa ser alguém humilde, simpático e meigo, assim a fada irá afastar todos os maus espíritos.

Dizem que eles não gostam de gatos, e preferem uma casa quente assim como adoram receber presentes como leite, mel e objetos pequenos de madeira.

Tomtra

São fadas masculinas de origem finlandesa, e usam capa verde como vestuário. Eles adotam uma casa para permanecer o tempo todo, porém é necessário fazê-lo se sentir recompensado. Caso tal mimo não ocorra, eles tiram a boa sorte do lar por vingança.

Algumas opções de oferenda são geleia, doces, mel puro colocadas em pequenas tigelas de vidro.

Urisks

Essa fada escocesa tem uma aparência feia chegando a assustar as pessoas, porém é bastante amigável e busca pela companhia de um humano para proteger ao longo da vida. Dizem que é bastante inteligente chegando á ser psiquicamente desenvolvida, porém o que refugiam as pessoas é sua aparência.

Para ter a amizade dela, basta lhe oferecer a amizade e visitar-lhe no bosque pedindo por seu apoio. Dizem que ela não precisa de presentes materiais para socorrer as pessoas.

Conclusão

Antes de conhecer a Tradição Fairy Wicca, estude a mitologia irlandesa e os diferentes tipos de fadas que existem. O conhecimento será a porta de entrada para compreendê-las.

Não se esqueça de fazer a conexão com a Deusa Aine antes de tudo. A divindade será sua ponte de contato com as fadas, e é preciso ter responsabilidade e frequência para manter essa amizade.

Recomendo a leitura do material aqui abaixo para saber um pouco mais sobre essa tradição e sobre as fadas.

Fontes

Blog Wicca Guarulhos – A Fairy Wicca

Tradição Caminho das Sombras – Fadas

Arquivo – Tradição das fadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Sobre a autora

Alis Green

Uma bruxa escritora que é viciada em animes. Adora estudar sobre mitologias e história, como também gosta de ler romances regenciais. Quando aprende alguma coisa nova, sempre passa à frente em seus posts.

Leia sobre esses artigos