Inspiração para escrever
Dicas de escrita

Como me inspiro para escrever

Ver filmes, séries, animes, ler livros de outros autores são processos comuns de inspiração. Contudo, é preciso perceber como que funciona.

A inspiração é inconsciente

Quando digo que a inspiração é um processo inconsciente, quero dizer que se trata de algo fora do nosso controle. Não podemos manusear, não conseguimos delimitar quando que vai ocorrer.

Em relação á inspiração, podemos incitá-la. É aquele momento que você lê livros, materiais de pesquisa, vê filmes sobre o assunto que quer escrever. Mesmo assim, corre o risco de nada disso dar algum insight.

O primeiro passo para compreender melhor a sua inspiração, é aceitar que está fora do seu controle. Poderá incitá-la, só que nem sempre haverá resultados esperados.

Como que eu me inspiro

Da mesma forma que você. A forma mais comum de me inspirar, nos últimos tempos, tem sido através de livros e animes. Contudo, eu não consumo esses materiais buscando inspiração.

Quando vejo um anime, fico atenta á história que está sendo contada. Eu analiso o desenvolvimento dos personagens, as pontas soltas do enredos, o relacionamento entre os personagens. Eu assisto com um olhar avaliador, e ao mesmo tempo, desfrutando do anime.

É aquela coisa, querendo ou não, é o meu momento de pausa, relaxamento. Mesmo assim, a minha mente está trabalhando, inconscientemente. E eu aceito isso. Tudo o que preciso ter por perto é um celular ou um caderno, para anotar as ideias que vem.

Tornando a inspiração um processo automático

Quando você se torna consciente dos detalhes que um enredo pode ter, é impossível deixar de assistir algo sem ser avaliador. Os detalhes se tornam nítidos, ficamos mais sensíveis á isso.

É notável qual o evento que joga o protagonista na aventura principal, qual ato a história se encontra, como que o personagem se desenvolve, e assim vai. São detalhes que nós, escritores, temos de estar atentos ao escrever nossas próprias histórias.

Por precisarmos dessa atenção em nós mesmos, se torna comum que também transferimos tal atenção quando assistimos ou lemos algo. E aí, nos tornamos suscetíveis á fisgarmos detalhes do enredo que são atraente para nós.

Nessa questão de fisgarmos o que consideramos atraentes nas obras dos outros, não irei me aprofundar, pois já falei disso em outro post. São os padrões inconscientes da nossa escrita.

A partir do momento que nos tornamos conscientes de que assistimos algo com um olhar crítico, ficamos vulneráveis á ter inspirações para nossas próprias histórias, e elas se tornam processos automáticos.

A inspiração pode ser consciente

Existem diferentes métodos de tornar consciente a sua inspiração, é o que chamo de pesquisa ativa.

A pesquisa ativa acontece nos primeiros passos ao escrever uma história, quando determinamos os cenários, personagens, e temas centrais que queremos abordar. O passo seguinte é a pesquisa para tornarmos peritos naquilo que iremos falar.

Nesse caso, estamos dizendo ao nosso cérebro que é hora de aprender, e por isso essas informações não devem ser descartadas de forma alguma. Se for necessário, tirar fotos de alguns lugares da vida real para se tornarem fonte de inspiração é um exercício ideal.

O processo que ocorre nesse exemplo é a união de ideias para incitar a inspiração, seja naquele mesmo momento ou mais tarde. Nesse caso, estamos completamente conscientes de que o material reunido é inspirador, e necessário, para o processo criativo.

Conclusão

A inspiração pode acontecer inconscientemente, quando nosso corpo e mente está relaxado e completamente desconectado do trabalho, tornando o cérebro capaz de captar os estímulos que nos lembram as nossas histórias.

Há também a inspiração por pesquisa ativa, que se resume na união de materiais de pesquisa que se tornam inspirações para nossas histórias. Nesse caso, é completamente consciente que estamos buscando um estimulo para o processo criativo ocorrer.

De qualquer forma, podemos entender que a inspiração ocorre o tempo todo, e tudo depende da forma como reagimos á tais estímulos. Alguns passam desapercebidos, outros são anotados para serem usados mais tardes, e alguns são colocados em prática no mesmo instante.

Podemos entender que a inspiração nos envolve, basta que queiramos vê-la e aceitá-la, (in)conscientemente.

Veja outros assuntos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.