Re:Zero – A morte como arma poderosa

re:zero análise de enredo

Um dos animes mais aclamados desde o lançamento de sua light novel, cujo protagonista foi o mais odiado. Essa é a ambiguidade do anime Re:Zero. Se quer saber como criar um personagem que aprende com os próprios erros, esse anime é para você.

Já aviso que esse post terá muitos spoilers! Caso não goste, busque por uma resenha do anime. Aqui pretendo fazer a análise do enredo dessa história, e para mostrar meus pontos precisarei dar informações.

Antes de começar gostaria de dizer que esse post foi feito aos poucos. Primeiro, há muita coisa para se ver no anime. Principalmente por conta da primeira temporada ter duas versões, uma lançada em 2016 e outra com cortes do diretor. A dos cortes do diretor contém episódios com mais de 40 minutos de duração, e aparentemente detém algumas diferenças do que a primeira versão lançada em 2016.

Além disso, temos filme, OVA’s (episódios especiais), a segunda temporada. Como se não bastasse toda essa mídia, ainda tem a light novel. Seria uma versão narrativa do mangá, para quem desconhece.

Ou seja, há muito material a respeito dessa história que precisam ser lidos, assistidos e compreendidos por mim. Sendo assim, estou fazendo essa análise depois de já ter finalizado as duas temporadas e o filme.

Sinopse da história

Natsuki Subaru é um garoto do ensino médio que perdeu o prazer pela vida, e desistiu da escola. Ao sair de uma loja de conveniência e atravessar a rua, ele se depara com uma realidade diferente. Humanos, bestas, dragões puxadores de carroça passam na sua frente em um ambiente similar à era medieval.

Buscando saber o que aconteceu, onde está e quem teria o invocado para aquele mundo fantasioso, Subaru é atacado por ladrões locais e salvo por uma garota bonita de cabelos prateados. A fim de retribuir a ajuda recebida, o rapaz oferece ajuda para a garota que estava atrás de um assaltante que lhe roubara algo precioso.

Quando os dois jovens finalmente conseguem alguma pista de quem teria roubado a garota prateada, ambos são brutalmente assassinados. Encantado pela gentileza da garota e determinado a salvá-la daquele fim horrendo, Subaru desperta o seu poder.

Repentinamente ele acorda no mesmo local em que fora invocado, e sai em busca da garota ao entender que voltara no tempo. Porém, mesmo seguindo um caminho diferente Subaru encontra a morte, tornando a despertar no local em que fora invocado.

O seu poder é o “Regressar da morte”, uma habilidade que permite voltar ao tempo quando Subaru é morto. Apesar dele deter as memórias de antes ser morto, não se pode dizer o mesmo das pessoas em sua volta. Além disso, Subaru não pode falar à respeito de sua habilidade com absolutamente ninguém.

Será ele capaz de driblar a morte da garota de cabelos prateados, e ajudá-la a se tornar uma rainha daquele mundo diferente?

  • Fonte: Reiki project

Re:Zero – protagonista se adapta à realidade

Tratando-se do gênero Isekai, sabemos que o protagonista irá deter algum poder raro e misterioso tornando-o especial.

Se você desconhece esse gênero, saiba que trata-se de um personagem da era moderna reencarnando ou sendo invocado para outra realidade. Alguns são enviados para dentro de jogos (como o anime SAO). Geralmente essas realidade não são nada modernas, sendo quase similares a era medieval. Algumas delas tem magia envolvida, tornando-se um mundo bem fantástico. Ou seja, um mundo bem diferente.

Geralmente esses personagens de Isekai são bem conscientes de que foram enviados para uma realidade diferente, e que não voltarão para o seu mundo. O único caminho é sobreviver.

Podemos dizer que Subaru também é bastante consciente disso, sendo que se adaptou em questões de segundo ao seu novo mundo. Logo deseja saber quem o invocou, qual a sua missão e se detém algum poder incrível que o destaque nessa realidade.

No entanto, não há nenhuma pista sobre quem o invocara e muito menos a respeito do seu incrível poder. Já a missão, bem… depois de conhecer a garota de cabelos prateados chamada Emilia, Subaru decide acompanhá-la já que se apaixonara a primeira vista. Se não havia missão clara, ele mesmo criou uma.

Uma vez que vivencia uma situação que coloca a vida dos dois em risco, na verdade encarando a morte de ambos, Subaru se depara com o poder de “Regressar da morte”.

Devo dizer que esse poder de Subaru em refazer seus passos depois de morrer é uma habilidade deveras perigosa. E o anime mostra explicitamente o porquê.

A história das sete bruxas dos pecados capitais

Nesse mundo fantasioso há uma história sobre sete bruxas que representavam os sete pecados capitais. No entanto, a bruxa da inveja teria matado todas as demais ao ponto se tornar alguém que os humanos abominam. Ninguém, não importa quanto tempo se passe, gosta das bruxas.

Não sei dizer se elas chegaram a fazer algum mal aos humanos enquanto vivas, com exceção da bruxa da gula que criou três feras fortes da qual atormenta os humanos por anos.

Aliás, Emília – que é uma meia humana e meia elfa – sofre preconceito por conta de sua aparência. Os cabelos brancos, olhos roxos-azulados e orelhas pontudas são similares ao que é dito sobre a bruxa da inveja. Muitos a consideram bruxa da inveja encarnada, e por isso a evitam.

Menos Subaru, é claro.

Outro ponto válido é que toda vez que o retorno da morte é usado, Subaru é envolto no cheiro da bruxa da inveja. Quanto mais usar, mais forte o cheiro fica. Apesar de não deter magia e aparentar ser bem fraco, o cheiro é o suficiente para torná-lo suspeito para os desconhecidos. Mesmo que Subaru não faça ideia de quem é a tal bruxa.

Há outro momento que Subaru fica com esse cheiro mais intenso, que é ao tentar falar para alguém sobre o seu poder. O tempo em sua volta para, sombras o cercam e mãos negras surgem para lhe tocar o coração. Seriam as mãos da suposta bruxa da inveja.

Sendo assim, Subaru começa a considerar que a pessoa da qual o invocou para aquele mundo possa ter sido a famosa bruxa da inveja. Que diferente das outras seis, é a única viva.

Na segunda temporada conseguimos conhecer essas bruxas, além de finalmente ver o rosto da bruxa da inveja. Subaru interage bem com elas a ponto de saber sobre a história de algumas.

Re:zero – protagonista fracote e frágil

Subaru não é alguém que sabe lutar, não tem poder mágico depois de chegar nesse mundo estranho, e muito menos sabe manusear uma espada. Levando em consideração que a era moderna nos permite a mordomia de dormir relaxado sem se preocupar com o perigo, é claro que Subaru seria alguém consideravelmente fraco.

E justamente por ser tão frágil que esse poder de retornar da morte é ideal para ele. Principalmente para trabalhar o amadurecimento psicológico desse personagem.

Na medida em que a história avança, o protagonista vivencia diversas situações estressantes e traumatizantes que ocasionam a morte de seus amigos. Além disso, a chave principal é a frustração. Subaru enfrenta a frustração o tempo inteiro.

Chega um dado momento da primeira temporada que sua personalidade começa a mudar. O garoto que parecia ser motivado e otimista a achar uma resposta apesar dos perigos, dava lugar a um manipulador, egoísta e possessivo. Principalmente com as personagens femininas da série: Emilia e Rem.

As duas são personagens que desenvolvem certo afeto, se não amor, por Subaru, tornando-se importantes para ele. Principalmente Emilia, por quem Subaru diz à pleno pulmões que ama. Em uma discussão com ela, Subaru diz que somente ele pode salvá-la. Chega a ser um tanto quanto machista ao se colocar como salvador e ela como vítima que precisa sempre ser salva por ele.

Mesmo que Emilia fosse bem mais forte que Subaru.

Sendo assim, a partir da metade da primeira temporada Subaru se torna o personagem mais odiado.


Leia também


Re:zero – Quebrando a mente do protagonista

Após a discussão com a Emilia, Subaru começa a romper com sua psiquê. Fica abalado, porém não percebe de seus erros de imediato. Os dois permanecem separados por alguns dias, porém Subaru se depara com a possível morte de Rem, Ram e Emilia, além de todo um vilarejo.

Com vidas em risco e ele muito longe para ajudá-las, Subaru faz o seu melhor para acabar com essa distância e salvar quem ele puder. No entanto sempre há algo que lhe trás perigo, e então Subaru encara sua morte. Morrendo, volta no tempo e refaz seus passos mais uma vez. E então ele morre outra vez.

A frustração de não chegar à tempo de salvar todas as pessoas queridas fazem com que Subaru fique cada vez mais desesperado. Além disso, não importa qual caminho tome ele irá se deparar com inimigos fortes. Ou seja, se dá conta da sua fraqueza e inutilidade.

Toda vez que Subaru alcança Emilia, ela já está morta.

Impotência.

Estresse.

Trauma.

Esses são alguns sentimentos e situações das quais ele enfrenta nesse vai e volta no tempo. Toda vez que tenta fazer algo, nada dá certo. Quando tenta pedir ajuda, ninguém lhe estende a mão. Soma ainda que ele detém informações sobre a seita da bruxa, e não diz de onde são suas fontes. Ou seja, Subaru pode se tornar suspeito diante dos outros.

Não há dúvidas que esse arco é o melhor para vermos o protagonista caindo em desespero e frustração diante de sua impotência. Mesmo que use a sua morte para voltar, ele jamais conseguirá salvar Emilia.

A morte deve ser temida

Subaru jamais deverá deixar de temer a morte.

O poder que ele detém requer que morra e volte ao passado, para tomar outros caminhos e desencadear um futuro diferente. Esse poder é suficiente para fazer uma pessoa se sentir empoderada em excesso, e utilizá-lo sem escrúpulos. Principalmente, fazer acreditar que encontrou uma maneira de driblar a morte e prolongar a vida.

Por isso esse poder dado à Subaru é muito perigoso. Sendo assim, é compreensível o motivo dele não poder falar para ninguém a respeito.

Uma vez que a pessoa perde o medo da morte, a vida perde seu valor. Consideramos a vida como algo preciosa, pois sabemos que vivemos uma única vez, e que nada do que fizermos poderá ser desfeito. Com tal poder, poderá vivenciar a vida diversas vezes, e de diferentes formas.

Até o momento, Subaru está sambando nessa linha.

Ele pensa sim que usar o poder resolverá as coisas, contudo Subaru continua a temer a morte. Afinal, todas as vezes em que morrera sentira dor. Nenhuma morte fora serena como uma noite de sono. Ele já fora cortado ao meio, decapitado, morrera congelado. Foram mortes horrendas que o deixavam na beira do desespero. Incluímos aí um suicídio.

Uma vez que sentimos dor, o instinto de sobrevivência ascende. Buscamos por uma vida pacífica e indolor. Sentir dor é como sentir a vida escapar por entre os dedos. Sentir dor nos faz temer a morte.

Há alguns momentos em que Subaru se mostra dependente desse poder, fazendo-o pensar que é o único capaz de ajudar as pessoas. Várias de suas falas mostram isso, onde se posiciona como um grande herói. No entanto, por mais que pense em seu poder como um método de resolver as coisas, Subaru não quer sentir a dor quando morre.

Com isso podemos dizer, ele se sente poderoso ao mesmo tempo que é covarde.

Re:zero – devemos odiar Subaru?

Eu sei que chega a ser difícil não odiar Subaru depois de certa parte do anime. Contudo devemos pensar no sofrimento dele.

Subaru viu Emilia morrer várias vezes. Não somente ela, assim como diversas outras pessoas das quais gosta. Só o fato de encarar a morte de outra pessoa não é fácil, há pessoas que entram em depressão com isso.

Agora imagina ver isso repetidas vezes.

Vamos adicionar aí a questão da frustração dita anteriormente. Subaru morre, volta ao checkpoint e tenta outro caminho que evita a morte daqueles que ama. Não dá certo. Tenta de novo. Não dá certo. Mais uma vez. Não dá certo.

O mínimo de vezes que Subaru volta à vida em cada arco são 4. Ele morre quatro vezes em cada arco. Mais de quatro vezes ele vê as pessoas que amam sendo mortas. Inclusive há um final alternativo do primeiro arco da qual Subaru usa seu poder 87 vezes, sendo que na última ele desiste de salvar Emília. No caso desse final alternativo ele não aparece no anime, e sim na Light Novel em especial.

Você acha que o ser humano consegue suportar isso?

É óbvio que Subaru quebra. Sua psiquê se quebra a ponto de ele enlouquecer.

Esse anime não trás um protagonista com um poder surpreendente, que salvará todos com sua determinação. Trás um protagonista que vai errar, sofrer, morrer, enlouquecer, e então superar suas dores para então ficar mais forte.

Temos um protagonista humanizado.

Re:zero – Sobre a segunda temporada

Muito bem, faltam apenas dez episódios para encerrar a segunda temporada, e devo dizer que encontrei uma enorme diferença em nosso protagonista.

Na primeira temporada nos deparamos com um Subaru bem imaturo, que se agarra desesperadamente ao seu poder para se sentir heroico e salvar vida das pessoas que ama. Quando não se sente devidamente reconhecido por Emilia, o rapaz enfurece sem reconhecer seus erros. A partir daí vem toda a quebra de sua psiquê que o deixa à beira da loucura, até que desabafa com Rem. Nesse desabafar ele reconhece suas falhas e ainda por cima é reconhecido pela garota.

Agora na segunda temporada temos um Subaru um pouco mais amadurecido.

Ele tenta manter sua sanidade mental na medida em que as situações vão ocorrendo. Inclusive, percebe que ao voltar da morte e tentar caminhos diferentes, acaba por descobrir informações acerca dos problemas que podem ser usados para bolar alguma solução. Digamos que Subaru consegue compreender melhor o seu poder.

Além disso, a segunda temporada nos mostra as sete bruxas, ou suas almas, interagindo com o personagem. Principalmente Satella, que foi a bruxa da inveja que deu à Subaru o poder de recomeçar após a morte. Conversar com essas bruxas e poder afirmar o poder que tem é um momento de alívio para Subaru.

Afinal, até aquele instante o rapaz não podia contar para ninguém. Então quando finalmente consegue dizer que pode voltar à vida após a morte, sem sentir seu coração ser segurado pela bruxa da inveja, Subaru desaba em lágrimas de alívio.

No entanto, isso não significa que nosso protagonista não será atingido pelo estresse mental. Toda vez que retorna da morte, Subaru fica a beira da loucura. Afinal de contas agora busca informações com mais consciência, então se dá conta de que nem todos em sua volta são confiáveis.

Inclusive há um episódio que Subaru faz um teste em um santuário, da qual ele teria de ver qual seria o possível presente das diversas linhas temporais que ele saltou. Ou seja, ele viu como as pessoas reagiram à cada morte dele. Presenciar essas cenas quase fizera Subaru morrer, se não fosse salvo por uma das bruxas.

Conhecendo o passado do protagonista

Na segunda temporada conseguimos ter um vislumbre da vida de Subaru antes de ser levado para esse mundo maluco. Mais precisamente conhecemos sua relação com seus pais.

É muito interessante isso, pois na primeira temporada sabíamos que ele era alguém que não faz nada na vida. Não estuda, não trabalha, prefere ficar em casa jogando jogos, lendo mangás e vendo anime. Contudo não sabíamos muito à respeito da vida que ele tinha antes disso.

E essa maravilha veio na segunda temporada.

Subaru tem pais incríveis, principalmente o seu pai. É um homem que todos gostam, é carismático e popular entre a vizinhança. O problema é que as outras pessoas dizem que os méritos de Subaru se dá por ser filho do seu pai. Ou seja, tudo o que ele tem não pertenceria a ele. As pessoas só falam consigo por causa do seu pai. Sempre há essa frase “você conseguiu, afinal é filho dele”.

Chega um dado momento que Subaru se percebe sozinho, e isso o faz questionar o que teria de especial e que pertenceria somente à ele. Quando menos espera, ir para a escola não faz mais sentido. É como se perdesse o prazer pela vida, já que seria apenas alguém sem nenhum atrativo ou habilidade.

Isso nos permite compreender o motivo de Subaru se agarrar ao seu poder de retorno da morte. Principalmente dele dizer, com certa frequência, que somente ele pode salvar Emilia. Se colocar na posição de grande herói é essencial para Subaru, pois naquele mundo, naquela realidade, tem algo importante que somente ele pode fazer.

Aliás, o episódio dele conversando com os pais foi muito emocionante. Preparem os lencinhos.

Aprenda a se amar, Subaru

Como dito antes, ainda estou na segunda temporada e há muita informação que não deva ser dita por ora. Então, trabalharei com hipóteses.

Quando Subaru se vê diante das almas das sete bruxas originais, Satella diz ao rapaz para se amar. Chega a ser uma mensagem bem óbvia no anime, já que várias vezes os amigos de Subaru dizem ao rapaz que pode contar com eles, dividir seus pesos e chorar. Que o protagonista não precisa lidar com tudo sozinho.

Por causa da imposição de não dizer sobre seu poder aos demais, Subaru tomou isso como uma missão solitária. Não foi uma e nem duas vezes que ele caiu em prantos por estar cansado e não aguentar mais aquela vida. Mesmo que desabafasse, e recebesse o devido consolo de seus amigos, Subaru não aprende que não está sozinho.

Ele torna a fazer tudo por conta.

Se somarmos a conversa dos pais do protagonista com essa reunião das almas das bruxas, conseguimos entender o motivo do rapaz estar com aquele poder.

Enquanto vivia na era moderna com seus pais, Subaru deixa de viver pois não se considera tão incrível como seu pai. Não existe mais o brilho nos olhos, esperança ou motivação para viver. Ele não é ambicioso nessa realidade. Ou seja, ele não se ama.

Já nesse mundo de fantasia, Subaru trata a própria vida com levianidade. Tome a minha vida no lugar daqueles que amo. Mesmo temendo a dor, mesmo que suas mortes sejam horrendas, Subaru tira a própria vida com facilidade. É como se não desse valor a si mesmo, como falei no outro tópico.

Basicamente o caminho que Subaru deverá trilhar para amadurecer não envolve salvar Emilia apenas, mas sim de dar valor na própria vida.

Re:zero – enredo complexo e fascinante

Levando em consideração somente o anime, já sei que a segunda temporada não irá contemplar o enredo por completo. Existem muitas pontas soltas que precisam ser trabalhadas ainda. Por isso irei procurar pela light novel, mangá, o que for, para saber mais detalhes.

Sim temos um antagonista bem misterioso nesse enredo. Aparentemente há uma bruxa que é temida por todos há anos. Satella. Há uma seita em seu nome, além de personagens que representam os sete pecados capitais.

Inclusive, quando Subaru briga com Emilia e começa a enlouquecer, inicia-se o arco para lidar com o pecado da preguiça. Já nesse arco temos alguma noção sobre essa seita, mas nada esclarecedor.

Só para lidar com o pecado da preguiça levou vários episódios, com Subaru morrendo e voltando, lutando de novo e morrendo, imagina com os demais pecados. Pelo o que entendi, Satella seria o pecado da inveja, e na segunda temporada aparecem mais dois pecados. Ou seja, faltam três pecados para enfrentarem.

Além disso, fiquei sabendo que há light novels (pelo menos acho que é isso) que exploram diferentes finais de Subaru. Chamado de Re:if, ele mostra quais seriam os finais alternativos de Subaru. Li alguns spoilers e achei bem interessante, principalmente o que fala dele e Rem fugindo para outra cidade e tendo a família deles.

O anime é sensacional nesse ponto, em manter o mistério ao revelar as informações de maneira estratégica. Se piscar, perdeu informação. Você ficará vidrado querendo saber mais e mais, pois sente que há coisas a serem ditas ainda.

Pontos negativos do anime

O principal ponto negativo para a maioria das pessoas que assistem Re:zero é a atitude de Subaru na primeira temporada. A arrogância, machismo, egocentrismo dele são difíceis de lidar. Por ter se apaixonado por Emílio logo de cara, mas ela ter demorado para se abrir com ele, Subaru vai demonstrando certa possessividade com a garota.

No entanto, não é somente Subaru que trás certo ranço nos fãs. Até mesmo as atitudes de Emilia geram raiva, pois é passiva demais. A garota é inocente, compreendemos isso, porém não é clara quando o assunto é Subaru. Por ser muito protegida, e colocada nesse papel de vítima, Emilia não encara certas situações como deveria.

Digamos que esses pontos negativos só são chatos pois os fãs esperam a perfeição por parte dos personagens. No meu ver dá uma certa raiva, mas eu estava tão fascinada com o enredo que nem me aprofundei em ficar irritada com eles. Digamos… essas atitudes eram obviamente necessárias.

Não tem como Subaru não se sentir empoderado com essa habilidade. Não tem como Emilia se manter na inocência uma vez que os outros a colocam nesse papel. Não tem.

Ou seja, até mesmo os pontos negativos do anime me pareceram coerentes com o enredo. E eu amei eles.

Além disso, se você for ler o mangá se prepare para as mortes. No anime algumas foram censuradas. Por exemplo a primeira morte de Subaru foi um corte na barriga. No mangá, suas tripas ficavam para fora, já no anime não ficou tão claro.

As mortes precisam ser dessa maneira para que Subaru sinta o peso e medo da morte. Afinal, ele não está doente, não está idoso, não está na condição de receber uma morte pacífica. São mortes ocasionadas por fatores externos, e por isso elas são horrendas. Sendo horrendas, nosso protagonista fica cada vez mais sobrecarregado com sua habilidade e dever.

Pontos positivos

O enredo por si só é maravilhoso. Há certo mistério que não é entregue de bandeja, sendo necessário nos atentarmos a cada cena para descobrir algo.

Além disso, a qualidade do anime é sensacional. Não vi maus comentários acerca de qualidade, nem das aberturas e encerramentos. Diga-se de passagem a maioria das pessoas gostaram do produto.

Na segunda temporada devo dizer que fomos mimados, afinal os episódios ultrapassam dos 23 minutos de duração. Sendo essa a margem geral de duração de um episódio de anime. Nessa nova temporada tivemos episódios de até 29 minutos, que pareciam durar 5 de tão interessantes que estavam.

Novamente bato palmas para a segunda temporada, pois encontramos ali várias informações sobre o enredo, além de ter visto tanto Subaru quanto Emilia ficarem mais maduros. Salvo a parte em que nossa protagonista feminina acha que beijar engravida… dei tanta risada dessa cena…

Conclusão

Consigo compreender muito bem a nota alta que o anime recebeu no site My Anime List, e eu concordo. O enredo é muito misterioso, nos fazendo questionar vários porquês e como que toda a situação será resolvida. Temos também Subaru sendo o protagonista mais humanizado, que cai e sofre horrivelmente, mas que no final ainda consegue voltar ao otimismo para não deixar as pessoas morrerem.

Com esse anime encontrei muito material de estudo para criação de personagem. Além de ter encontrado inspiração para escrever uma história.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Sobre a autora

Alis Green

Uma bruxa escritora que é viciada em animes. Adora estudar sobre mitologias e história, como também gosta de ler romances regenciais. Quando aprende alguma coisa nova, sempre passa à frente em seus posts.

Leia sobre esses artigos