Dicas de escrita Recomendações

O amor e o desejo em romances (Kimi ni todoke)

o amor e o desejo

No anime “Kimi ni todoke”, temos um enredo que explora docemente a questão do amar e o desejar. Como que isso pode ser uma jornada para os personagens principais, que se sentem atraídos um pelo o outro. Aproveite essa dica para escrever o seu romance.

Muitos escritores modernos adoram escrever os romances com direito à cenas de beijo e até mesmo de sexo. Porém, devemos sempre nos lembrar de que o contato físico entra no campo do desejo.

Você não sabia disso? Não se preocupe, isso é algo que muitos escritores não sabem, de fato.

Para poder te explicar um pouco disso, irei usar como exemplo o anime de romance “Kimi ni todoke”, que é um grande sucesso pelo mundo justamente por nos mostrar um casal se relacionando de uma forma que não engloba o contato físico.

Inclusive, fica a recomendação para você assistir no final de semana 😉

Refletindo sobre o amor e o desejo

Quando falamos em desejo a maioria irá pensar no desejo sexual, aquele ímpeto que chega ser descontrolado. Esse desejo engloba, na maioria dos casos, aquelas cenas em que um personagem olha atentamente e boca da pessoa que gosta. Ficar olhando intensamente, e então imaginando como seria beijá-lo.

Com certeza você já deve ter lido algo do tipo. Afinal, são aspectos que um leitor, independente do estilo de vida, orientação sexual, já deve ter vivenciado. Então o nível de identificação é bem grande.

No entanto, nem sempre o desejo está no campo do amor. É no campo da possessividade, quero algo para mim e por isso eu o desejo. Ou seja, pertencimento.

Podemos pensar, nesse caso, que o personagem que está olhando fixamente para a boca do paquera está desejando o contato físico com ele. Não com outra pessoa, com ele próprio. Sendo assim, a partir do momento que ele consegue sanar esse desejo ao beijar tal pessoa, gera-se o prazer.

O prazer de ter o desejo realizado.

Já o amor é um sentimento amplo demais, que precisa ser vivenciado para que possamos compreender, minimamente, o seu significado e ainda dar um significado pessoal a ele. Podemos amar nossos pais, podemos amar fazer certas atividades, amamos comida, amamos ver uma série, e principalmente amamos pessoas.

Eu amo algo por me gerar prazer, por me fazer bem, por saciar algo em mim. Amamos nossos pais, por exemplo, pois eles saciam parte do campo afetivo. Outra parte do campo é saciado pelos amigos, e um terceiro pode ser saciado pelo apaixonamento romântico, o namorado.

Com isso dizemos que o desejo e o amor estão ligados pelo prazer de ter algo saciado.

A experiência do amor de Sawako

A protagonista feminina desse anime se chama Sawako, e ela é uma garota gentil, doce, tímida e inteligente. Durante sua infância, um filme de terror se popularizou e acarretou em consequências para a vida dela. Afinal, “O Chamado” tem uma fantasma que se chama Sadako.

Sim, caso você não saiba, o filme do chamado é originalmente japonês.

Devido ao fantasma ter um nome parecido com a nossa protagonista, e ambas terem o cabelo preto comprido a ponto de cobrir a face, é claro que as pessoas começaram a ter medo de Sawako.

Mesmo com o passar dos anos, seus colegas de classe espalham rumores de que ela teria contato com fantasmas, fazendo crescer histórias estapafúrdias e irrealistas. Como o ser humano teme aquilo que não controla, é claro que os jovens da escola evitavam Sawako como se ela fosse a própria fantasma do filme de terror.

Infelizmente isso fez com que a garota nunca tivesse amigos, mesmo que ela quisesse.

O amor que Sawako tem experiência, nesse caso, seria o amor afetivo de seus pais. De resto, ela desconhece já que não há experiências. Por mais que possamos observar os outros se relacionarem, o ensinamento que temos vem das vivências, pois damos significados pessoais.

Por então entendemos isso: Sawako nunca se apaixonou, nunca fez amigos, tem dificuldade de se aproximar das pessoas que não são de sua família. Ok? Vamos para o outro personagem então.

A experiência do desejo de Kazehaya

Nosso protagonista masculino é Kazehaya, e ele é completamente o oposto de Sawako. Popular, bonito, gentil e extrovertido, Kazehaya sempre encanta as pessoas e as atrai para si. É como se fosse um imã de pessoas.

Só que há um porém que ninguém mais sabe.

Kazehaya é apaixonado por Sawako desde o primeiro dia de aula.

Quando o rapaz estava perdido sem saber onde a escola ficava, Sawako o ajudou. Diferente das demais pessoas, ele não se assustou e tratou a garota cordialmente. Por seu comportamento, Sawako ficou tocada e abriu o seu melhor sorriso, feliz por alguém ter sido gentil com ela. Vendo seu sorriso, Kazehaya se apaixonou.

Uma vez que para ele é claro seus sentimentos, os desejos vão se tornando consciente na medida em que o casal se aproxima e se desenvolve. Toda vez que Sawako lhe dirige um sorriso, ele cai. Literalmente. Ele cai, esconde o rosto, fica ruborizado pois seus sentimentos e desejos transbordam.

O mais interessante é Kazehaya ser completamente consciente dos desejos. Quando Sawako o elogia, falando que ele é muito gentil e uma pessoa que ela admira muito, ele simplesmente responde: “sou a pessoa mais egoísta do mundo“.

Outra fala do personagem que demarca bem sua consciência aos seus desejos seria em um momento em que Sawako diz que Kazehaya a trata como todo mundo, e isso a deixa feliz. O rapaz logo responde: “não a trato como todo mundo”. Dá-se a entender que, por ela ser especial ele a trata de tal forma, diferente das demais pessoas.


Leia também: Analise de enredos – Fruits Basket | Análise de enredos: Nurarihyon no mago


O desenvolvimento dessa relação desigual

Na medida em que a história avança, Sawako e Kazehaya se tornam amigos e criam um círculo de amizade que faz a protagonista vivenciar suas primeiras experiências. Dormir na casa das amigas, sair para se divertir, irem à um restaurante no final das aulas. Tudo isso são experiências novas para ela, que se tornam especiais.

Como a garota está passando pelas “primeiras vezes” ainda é complicado de nomear certas emoções. Em um determinado ponto o grupo de amigos sabe muito bem que algo pode acontecer entre os protagonistas, porém Sawako ainda não sabe dizer o que sente.

Ela diz que todos são especiais, porém falar do Kazehaya a deixa toda vermelha. É aquela coisa do corpo denunciar aquilo que não dizemos. Basicamente o anime explora esse crescimento dos sentimentos. Da Sawako entender o que é o amor e deixar claro para si mesma que ama Kazehaya.

Já o rapaz por ter isso muito claro para si, é óbvio que suas experiências passam a ser diferentes. Por mais que deseje se aproximar intimamente dela, Kazehaya se refreia ao lembrar que para ela tudo é novo, que é necessário ter calma.

Ou seja, tem de controlar de seus desejos, se não Sawako pode se assustar e se afastar. E nem sempre é fácil controlar os desejos, pois é a tomada do controle de algo que quero para mim. Kazehaya chega em seu limite várias vezes, mas sempre recupera do controle ao lembrar que ela não está no mesmo “ponto” que ele.

Só que isso não significa que Kazehaya apenas fica esperando Sawako. Há momentos em que ele insiste um pouco mais em aprofundar a relação, e momentos em que se afasta desesperançoso.

O ponto chave do anime

A principal característica do anime que fez com que milhares de pessoas desejassem vivenciar um romance desses é justamente a questão do explorar os sentimentos.

Na medida em que Sawako vai vivenciando situações com suas amigas, elas a colocam pra pensar sobre o que sente por Kazehaya. É claro que as amigas tentam juntar os dois, mas em geral gostam de deixar por conta deles.

Durante todo o anime não temos cenas de beijo, e algo além disso também não surge. Só os dois se abraçando é o suficiente para nos mostrar a questão do desejo falado anteriormente.

Quando os dois, finalmente, se declaram um para o outro, temos a cena do abraço. Kazehaya abraça Sawako de um jeito que dá pra sentir o desejo de a tocar, te a ter para si. E os dois ficam completamente ruborizados, claro, pois naquele ponto a Sawako também se torna consciente de seus desejos como segurar sua mão e afins.

Com isso acompanhamos todo o processo de apaixonamento e da tomada de consciência sobre o amor romântico. Uma vez que o amor é admitido para si mesmo, os desejos se tornam mais presentes em nossa realidade. Nesse caso, o desejo se torna ligado ao amor romântico.

Conclusão

O romance pode ser explorado de diversas formas que vão além de beijos e sexo. No post de hoje trabalhamos a questão do amor e do desejo dentro do anime Kimi ni todoke, nos mostrando como o ganho de experiência na vida é importante para que saibamos identificar os sentimentos e sensações que temos por outras pessoas.

Além disso, aprendemos também que o amor e o desejo não são a mesma coisa e nem precisam estar ligados. Algumas pessoas sentem desejo, mas não amam. Outras amam, mas não há desejo. No caso do anime em questão, somente após o amor ser admitido é que o desejo se torna consciente.

Materiais complementares

Cenas do anime Kimi ni todoke com legendas em inglês que mostram a relação do casal principal.

Parte 01

Parte 02

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Artigos Recomendados