Divindades celtas masculinas – Primeira parte

Divindades celtas masculinas – Primeira parte

Apesar da figura feminina ter uma presença mais forte, não devemos nos esquecer do masculino. Nesse post iremos conhecer as divindades celtas masculinas.

Quero deixar claro que meu referencial teórico para os deuses celtas está bem escasso. Sendo assim, é provável que as postagens sobre os assuntos sejam atualizados na medida em que encontro mais materiais.

No post anterior, estudamos algumas deusas celtas femininas. E como buscamos o equilíbrio entre ambas as energias, então iremos conhecer os Deuses celtas e suas histórias.

Pegue a caneta e seu grimório, chegou a hora de estudar.

Dagda

Parte da mitologia Irlandesa, carrega consigo vários nomes e títulos, sendo alguns deles: o Deus bom, Pai de todos, Grande Deus, Senhor dos céus, Pai dos deuses e dos homens, Senhor da vida e da morte, Arquidruida, Deus da magia, da terra, Rei altíssimo de Tuatha de Danann. Outros nomes que carrega são Deus da morte e do renascimento, mestre de todos os negócios, e senhor do conhecimento perfeito.

Dentro da mitologia, ele é visto como uma figura paternal e protetora, porém contém imensa força principalmente por carregar seu martelo que mata, ressuscita e dá vida. Seu nome carrega o significado “o que golpeia com grande eficácia” justamente por conta da ferramenta que sempre usa.

É contado que Dagda teve vários filhos, dentre eles Brigit, Angus, Midir, Ogma e Bodb. Também tinha quatro palácios nas profundezas da Terra e nas colinas, e que tinha um caldeirão denominado de “Sempre úmido” fornecendo comida ilimitada. Além de trazer uma alimentação boa, Dagda mergulhava os guerreiros mortos dentro do seu caldeirão para trazê-los de volta á vida.


Leia também: Divindade celta: figuras femininas da mitologia


No entanto, é a harpa que chama a atenção. Feita de carvalho vivo, sua música fazia as estações seguirem a ordem adequada. Quando o Deus tocava alguma melodia no instrumento, ela soava tão suave que os mortais passavam de um mundo á outro como se estivessem em um sonho. Algo completamente suave e indolor.

Dian Cecht

Na mitologia irlandesa é pai de Miach, Cian, Cethe, Cu e Airmid, e conhecido como o Deus da cura, medicina, regeneração, magia e talheres. Dentro de sua mitologia é retratado como alguém de temperamento explosivo, e até mesmo invejoso.

Os Tuatha de Danann reconhecem Dian Cecht com tal temperamento, e até mesmo dizem que isso impede de uma relação amistosa. Entretanto, por ser um dos mais antigos Deuses, ele é imensamente respeitado por toda a cultura.

Dentre os mitos contato, podemos ver que sua fúria poderia ser direcionada á qualquer um, principalmente seus filhos. Quando o rei Nuada perdeu o trono por ter perdido seu braço, ele procurou Dian Cecht que criou uma prótese de prata. No entanto, o filho do curandeiro, Miach, também desejava ajudar o rei e por isso fez sua mão de carne e osso retornar.

Movido por raiva e orgulho ferido, Dian Cecht mata o filho. Até mesmo sua filha Airmid se torna alvo de sua fúria, quando ela chora no túmulo do irmão e suas lágrimas fazem crescer ervas medicinais. O curandeiro tira as ervas e não permite que alguém seja melhor do que ele mesmo.

Outro mito contado envolve o filho de Morrigan e Dagda que não era belo, mas sim horrendo. Quando Dian Cecht analisou a criança, abriu de seu peito e encontrou três cobras. Ele as tirou, matou, queimou e as jogou no rio Barrow, que passou á ferver e tirou vida dos seres aquáticos.

Lugh

Uma das divindades mais conhecidas da mitologia celta, sendo homenageado no sabbat de Lughnassadh ou Lammas. É chamado de Aquele que brilha, Deus do sol, da guerra, o numeroso e hábil, deus-herói.


Leia também: Sabbat da primeira colheita – Lughnassadh (lammas)


No entanto, sua história de vida gira em torno de uma profecia. O povo Formoriano era inimigo dos Tuatha de Danann, sendo consituítos por seres sobrenaturais violentos. Quando o rei do povo Formoriano, Balor, recebeu a profecia que seria morto por seu neto, tranca de sua filha em uma torre.

Ainda assim, a moça dá a luz á criança chamada de Lugh. Sabendo disso, Balor manda que afogassem da criança. Uma das sacerdotisas celtas que lá moravam, salvou Lugh e passou á lhe educar até que se tornasse adulto.

Já na adolescência, Lugh foi para Tara onde o rei Nuada cuidava de uma tribo dos Tuatha de Danann. Fora lá que viveu depois de oferecer seus serviços de artesanatos, guerreiro e mestre. Logo chegara a hora de cumprir a profecia, e os Tuatha de Danann foram até o povo Formoriano, onde Lugh mata seu avô.

Tempos depois, Lugh se tornou rei dos Tuatha de Danann e se casa com uma mortal chamada Dechtire, com quem teve o filho Cu chulain. Essa criança se torna um guerreiro bastante conhecido da mitologia celta.

Nuada

O rei dos Tuatha de Danann é conhecido como Deus da cura, das águas, oceano, pesca, sol, navegação, parto, cães, juventude, beleza, lanças, metalúrgicos, carpinteiros, harpistas, poetas, historiadores, bruxas, escrita, mágica, estratégia e encantamentos. Dentre os nomes que se referenciam á ele, o mais popular é Nuada mãos/braços de prata.

Filho da Deusa tríplice Danu, e irmão de Dagda e Dian Cecht. Casado com Macha, é pai de Tadhg e Echtghe. Ele portava um dos quatro tesouros dos Tuatha de Danann, a espada Claíomh Solais, que, segundo as lendas, ninguém escapava dela uma vez que fosse desembainhada.

Fora rei da tribo por sete anos antes de chegarem á Irlanda. Uma vez chegado á ilha, Nuada tentou negociar com a tribo Fir Bolg porém tudo chegou á guerra. Fora nesse momento que Nuada perde sua mão/braço. Com a vitória na batalha, os Tuatha de Danann se espelharam pela Irlanda.

No entanto, a vitória trouxe um preço. Como era uma certa lei na tribo, o rei deveria ser imáculado, ou seja, inteiro. Por Nuada ter perdido seu braço, ele teve de entregar o trono á Bres que se tornou um rei tirano.

Depois de ter seu braço de volta, ele conseguiu o trono. No entanto, o exilamento de Bres enfureceu os Formorianos, e assim começa a segunda guerra, agora com Lugh ao lado do Tuatha de Danann. Porém, Balor consegue tirar a vida de Nuada que fora vingado por Lugh que se tornou o novo rei dos Tuatha de Danann.

Ogma

Divindade irlandesa é conhecido por ser guerreiro, poeta e criador do alfabeto Ogham. Deus da eloquência, é semelhante ao Hermes e Hércules da mitologia grega. Também é conhecido como deus da ligação, que conecta os homens à si mesmo, e então, levá-los para o submundo (psicopompo).

Outro termo que podemos ligar com essa ligação, são as defixiones (tábuas com maldições que se conectam á outras pessoas). Realmente existem duas delas que se encontram na Áustria, e dizem que podem invocar Ogma para amaldiçoar uma mulher estéril á não se casar com um homem.

Os gauleses, que seriam os povos celtas que povoavam a região da França, realmente adoravam o Deus Ogma, no entanto não há provas concretas sobre sua existência. E isso é importante ressaltar, Ogma pode ter uma relação com o Deus celta Galês, Ogmius.

Dentro da história mitológica, Ogma foi um guerreiro de Nuada para participar das batalhas, antecedendo Lugh. Ou então, após Lugh se torna rei dos Tuatha de Danann, Ogma voltou á ser seu campeão.

Angus Mac Og

Membro de Tuatha de Danann, é considerado o Deus da juventude, amor e beleza. Filho de Boann e Dagda, que fez o sol ficar á pino pelos nove meses até a criança nascer, e deixá-lo sob os cuidados de Midir – afinal de contas, Boann e Dagda eram amantes.

Dentre seus mitos, há um que envolve seu pai. Dagda repartia de suas terras para seus filhos, no entanto Angus se encontrava ausente. Ficando sem terras para si, Angus recebe instruções do Deus Lugh para pedir á seu pai para dormir em sua casa. Dagda pensa que Angus quer ficar com a casa por apenas uma noite, porém a frase “Laa Ogus Oidhche” carrega outro significado além de um dia e uma noite.

Resultado, Angus fica com a casa para si além de um dia e uma noite.

Outro mito que temos é romântico. Angus teria sonhado com uma bela moça, e se apaixonou por ela. Pedira ajuda de seus pais, e até mesmo de Bodb Derg (rei dos Tuatha de Danann, depois de Dagda) para procurá-la, mas somente o novo rei conseguira encontrá-la.

A moça era Caer filha de Ethal, que contou á Angus sobre a moça passar apenas um ano como mulher e dois anos como cisne. Se Angus desejasse desposá-la, seria necessário se transformar em cisne na noite de Samhain. E assim Angus o fez, conseguindo viver com sua amada.

Belenus

Divindade solar cultuado na região da Gália e Britânia, tem como símbolos e a roda. É consorte da Deusa Belisama, deusa da forja e do artesanato. Além de ser um Deus solar, Belenus também é da ciência, cura, fontes térmicas, sucesso, prosperidade, colheita e agricultura. Pode ser invocado durante batalhas para garantir a vitória para quem é corajoso e feroz.

É comparado ao Deus Apolo da mitologia grega por conta do aspecto solar, e também á Ares pelo aspecto da guerra.

No festival de Beltane, esse Deus celta é homenageado. Outro aspecto dele é como divindade do fogo, e por isso as pessoas passam com o gado entre as fogueiras para serem purificados e ter fertilidade.

Goibniu

Deus ferreiro dos Tuatha de Danann, faz parte da tríade de artesãos do metal. É considerado a divindade dos ferreiros, fabricante de armas, joalheiros, destiladores, fogo e metalurgia. Dentro da mitologia celta, os deuses que trabalham com a forja são automaticamente ligados á alquimia e magia.

Dentre as batalhas, houve um momento em que o filho de Bres e Brigit, Ruadán, foi espionar Goibniu para descobrir seus segredos, mas o deus o matou. Com isso, Brigit criar o som Keening para mostrar sua tristeza.

Essa divindade carrega alguns simbolismos como a abundância, por conta dele ser dono de uma vaca da abundância; e também da imortalidade por ele portar um caldeirão. Nesse caldeirão, ele conseguia fermentar a cerveja e se fartar de comida sem sofrer dores e intoxicações.

Manannán Mac Lir

Conhecido como guardião dos oceanos e senhor das águas, é associado á Avalon, sendo o guardião das portas entre a Terra e a Ilha das Maçãs. É considerado uma divindade inquieta, intuitivo, e até mesmo sereno.

Por reger a água, ele é associado ás emoções humanas, evoluções e ritos de passagens. Na Irlanda, é visto como um grande herói, sendo uma divindade principal e poderosa. De certa forma, podemos dizer que é similar ao Poseidon e Netuno das mitologias greco-romana.

Também rege as tempestades, protege os navegadores lhe concedendo a fartura durante a pesca, e protetor dos comerciantes e mercadores.

Filho de Lir, é contado que ele seria o primeiro governante da ilha de Man, onde possuía um palácio. Nos textos celtas, Manannán é ligado á tribo Thuata de Danann, porém é discutível essa teoria, por ser feita após o século IX.

Dentro da mitologia celta, é visto um símbolo denominado Triscele, que é desse Deus. Seu significado são as três espirais entrelaçadas com três pernas humanas. Essas pernas representam o Deus caminhando acima das ondas.

Fontes

Fênix do fogo – Dadga o Deus bondoso

Portal dos mitos – Dian Cecht | Lugh | Nuada | Angus Mac Og | Belenus | Manannán Mac Lir

Caminho pagão – Deus Ogma, a eloquência encantadora eloquente guerreiro criador do Ogma | Goibniu o deus ferreiro ligado à magia e alquimia o deus ferreiro dos Tuatha de Danann

Revista Nós e outros olhos – Manannán, o senhor da Irlanda.

Magia celta – J. Conway

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Sobre a autora

Alis Green

Uma bruxa escritora que é viciada em animes. Adora estudar sobre mitologias e história, como também gosta de ler romances regenciais. Quando aprende alguma coisa nova, sempre passa à frente em seus posts.

Leia sobre esses artigos